PRORROGAÇÃO DE ALÍQUOTAS DE ICMS

36

 Antes mesmo de iniciar o novogoverno de Eduardo Leite, toma conta do noticiário do RS um temarecorrente em todos os últimos governos, ou seja “AUMENTO DE IMPOSTOS”, emboraneste caso seja a prorrogação por mais dois anos da alíquota que já vem sendoaplicado pelo Governo Sartori.

            A ASSTBM tem sempre como responsabilidade primeira a defesa de seus associados, e suas ações são sempre no sentido de sensibilizar o poder público a entender o “estado de penúria” que vivem os policiais do RS, que além dos 36 meses de atraso de salário trabalham sem a mínima perspectiva em uma área tão essencial que é a Segurança Pública.

          Não nos cansamos de dizer que somos servidores de Estado e não de governos passageiros.

           Todos sabemos que prorrogar alíquota de ICMS atinge a todos, inclusive os servidores públicos, no entanto pedimos encarecidamente aos deputados de todos os partidos e à sociedade que tenham a devida compreensão que se na atualidade (Out./18) o Governo do Estado integralizou o pagamento somente no dia 25 de Novembro e existe a possibilidade de diminuir uma receita .É necessário que a sociedade faça mais um sacrifício até que possamos entender qual a nova forma de gestão do novo governo que possa definitivamente fazer uma gestão que não penalize a sociedade e como parte dela os próprios servidores.

                 As entidades empresariais tem razão de protestar com esta prorrogação, porém precisam ter presentes a situação que envolve a sociedade e não só a sua corporação que também precisa do serviço público.

                 Em se confirmando o noticiado pelo governo e pela própria imprensa não prorrogar a alíquota significa dentre outros prejuízos o sucateamento e a precarização ainda maior dos serviços públicos, cujo beneficiário é a própria sociedade então os Deputados neste momento não podem ter postura de “situação ou de oposição”, mas aprovar a prorrogação ou apresentar outra alternativa que não penalize ainda mais os servidores do estado.