Juíza que soltou bandido com fuzil defende que “réu tem que se ajudar” na audiência de custódia

2432

A juíza Ana Luisa Schmidt Ramos, responsável pela absurda decisão de soltar um bandido com fuzil alegando que ele “não oferece perigo para a sociedade” durante uma audiência de custódia, é autora de um artigo em que defende que o “réu tem que se ajudar” durante a audiência.

Segundo a juíza, o conduzido “precisa se ajudar” durante a audiência. Ana Luisa cita o exemplo de uma “audiência de flagrante de tráfico” em que “o conduzido ia muito bem, narrando as circunstâncias da prisão e também dizendo que tinha profissão definida e que poderia ser solto, sem maiores riscos”. Entretanto, o “réu não se ajudou” ao ser indagado sobre a profissão que exercia e responder que era “olheiro”.

Não é a primeira vez que juíza “ajuda” criminosos armados

Esta não foi a primeira vez que a própria juíza “ajudou” criminosos armados. Em abril de 2017, uma decisão de Ana Luisa libertou uma quadrilha capturada numa residência com fuzis, submetralhadoras e pistolas, além de drogas. Foram apreendidas na época 14 armas de calibre restrito e mais de 500 munições com quatro criminosos.

Naquela ocasião, o juiz de plantão da audiência de custódia homologou o flagrante, mas os quatro criminosos foram soltos durante a audiência de instrução e julgamento presidida pela juíza Ana Luisa. Na decisão, ela alegou que apesar do flagrante, a PM não possuía ordem judicial para invadir a casa dos conduzidos.

O Ministério Público recorreu da decisão e cerca de um mês depois do flagrante, o desembargador da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, Rui Fortes, interpretou como equivocada a decisão da juíza e acabou mantendo todos os bandidos na prisão. Fortes considerou que os policiais não necessitavam de mandando de busca e apreensão para entrar num local onde armas, munições e drogas estavam sob posse uma quadrilha de vínculo permanente com o crime, além de considerar que a soltura causaria perigo iminente para a sociedade.

Defensora da “Justiça pela Paz em Casa”

Ana Luisa Schmidt Ramos também é palestrante. Em evento do “Justiça pela Paz em Casa” realizado pela Prefeitura de Florianópolis no dia 23 de agosto de 2018, a juíza falou sobre a “Violência Psicológica contra a Mulher”. A juíza defende a tese, exposta em um livro de sua autoria, do “dano psíquico como crime de lesão corporal na violência doméstica”, além de participar de outros eventos como o “Seminário Feminista sobre Encarceramento”.

Agência Caneta