A lei de Sartori que pode “revolucionar” a segurança no governo Leite

1352

Programa permite que empresas destinem parte do pagamento de ICMS para compra de equipamentos ao setor e poderá trazer R$ 194 milhões só no primeiro ano


Programa que permite a empresas destinarem parte do pagamento de ICMS para a compra de equipamentos ao setor pode trazer R$ 194 milhões à segurança no primeiro ano do governo LeiteMateus Bruxel / Agencia RBS

GAUCHAZH

Com uma crise acentuada sobre as finanças estaduais, o vice-governador Ranolfo Vieira Júnior, também titular da secretaria de Segurança Pública, está otimista quanto à implementação de uma lei que poderá, segundo ele, trazer R$ 194 milhões às ações da pasta em 2019. O volume de recursos poderá ser atingido caso empresários façam adesão ao Programa de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública.

A lei foi enviada à Assembleia pela gestão do ex-governador José Ivo Sartori no final do ano passado. O programa permite a empresas destinarem parte do pagamento de ICMS para a compra de equipamentos ao setor.  

O valor projetado – R$ 194 milhões – é seis vezes maior do que o investido anualmente, em média, conforme o vice-governador. Atualmente, por conta das dificuldades financeiras, o Estado só consegue aplicar cerca de R$ 30 milhões anuais na área da segurança. 

Vale ressaltar que este valor se refere somente a investimentos e não a outros gastos, como por exemplo, o volume de recursos destino ao pagamento de servidores .

— Esses R$ 194,7 milhões são uma possibilidade que temos, só com a lei de incentivo neste primeiro ano. No segundo ano, pode chegar a R$ 260 milhões. E isso talvez possa revolucionar a segurança pública no nosso Estado — afirmou o vice-governador, em conversa durante o programa Gaúcha Mais.

Pela lei, a empresa poderá deduzir até 5% do ICMS para comprar equipamentos aos órgãos de segurança pública. No caso de uma pessoa jurídica que tenha R$ 1 milhão de ICMS devido, a interessada no programa pagaria R$ 950 mil em impostos, enquanto os outros R$ 50 mil poderiam ser utilizados para a compra de materiais como viaturas, armamento, munição ou câmeras de vigilância. 

A empresa também terá de doar outros 10% do valor deduzido. Para o mesmo exemplo, isso representaria uma doação de R$ 5 mil para o Fundo Comunitário da Segurança Pública.