“Nosso luto é trabalhar”, diz colega de PMs mortos em confronto na zona leste de Porto Alegre

1793

Clima era de consternação no 19º Batalhão da BM, onde trabalhavam os policiais Rodrigo da Silva Seixas e Marcelo de Fraga Feijó

GAUCHAZH

Foram intermináveis segundos de um olhar perdido antes de conseguir explicar o clima entre os colegas do 19º Batalhão de Polícia Militar, localizado na zona leste da Capital. O soldado Tiago trabalhava com os policiais que foram mortos em confronto com criminosos na noite de quarta-feira (26) em Porto Alegre. Consternado, contou não ter conseguido dormir após ser informado sobre a perda dos companheiros. 

— Fui para casa e, quando soube, vim para cá. Todos vieram. O nosso luto é trabalhar. Passamos a madrugada prendendo — conta.

Oficiais do Pelotão de Operação Especiais (POE) não trocavam qualquer palavra entre si, como se entendessem o que queriam dizer pelos gestos de cabeça. Olhos que falavam e que demonstravam o luto.

— A gente é uma família — comentava um sargento, que preferiu não se identificar.

O subcomandante do 19º batalhão, major Alexsandro Goi, classificou a situação como “uma tragédia”.

— Ficamos com um sentimento de derrota. Eram policiais com conduta irrepreensível. É uma tragédia. Em 25 anos de Brigada, nunca tinha tido que confortar duas famílias por morte. Não tem o que dizer. O silêncio é o melhor nessas horas — disse o oficial, que passou a madrugada no cerco montado junto à Rua Paulino Azurenha, no bairro Partenon, próximo ao local onde ocorreu o confronto.

Rodrigo da Silva Seixas, 32 anos, e Marcelo de Fraga Feijó, 30 anos, faziam uma abordagem de rotina em um beco quando foram baleados por criminosos. Os dois chegaram a ser levados ao Hospital de Pronto Socorro, mas não resistiram aos ferimentos.

Seixas, natural de Caçapava do Sul, estava desde outubro de 2009 na Brigada Militar e completaria 33 anos no próximo dia 5 de julho. Feijó, de Viamão, havia ingressado na corporação em setembro de 2012 e faria aniversário no dia 14 de julho.

Bruna Viesseri / Agência RBS
Confronto ocorreu na noite de quinta-feiraBruna Viesseri / Agência RBS

Cerco durante a madrugada

O confronto entre policiais e criminosos ocorreu por volta das 22h de quarta-feira. Um criminoso morreu na troca de tiros e dois foram presos.

A BM fez cerco na região até as 5h desta quinta-feira. A ação foi feita pelo Batalhão de Choque, que parou e revistou motoristas que trafegavam pela via.

Pelo menos cinco viaturas barravam os acessos, enquanto policiais entraram em becos e realizaram varreduras. Por volta das 2h, um helicóptero sobrevoou a região com ampla iluminação sobre as casas.