Bombeiros que morreram em incêndio na SSP receberão promoção póstuma

1734

Avanço post-mortem, previsto a servidores da segurança que faleceram em serviço, amplia pensões a familiares

GZH

O tenente Almeida (E) e o o sargento Munhós (D) perderam a vida no incêndio que atingiu a SSP em julhoCBMRS / Divulgação

Os dois bombeiros que morreram durante o combate ao incêndio que destruiu a sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), há 30 dias, receberão uma promoção póstuma. O processo de promoção post-mortem está em andamento na pasta e a conclusão da promoção será feita pelo governador Eduardo Leite.

Nesta sexta-feira (13), completam-se 30 dias do desabamento do edifício-sede da SSP, o que levou à morte do sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhós, 51 anos, e do tenente Deroci de Almeida da Costa, 46.

Segundo a SSP, o avanço post-mortem é destinado a servidores da segurança pública que perdem a vida durante a atividade profissional. Essa promoção extraordinária impacta nas pensões destinadas aos familiares das vítimas. Não há prazo para conclusão do processo, mas a tendência é que seja finalizado em algumas semanas.

Por meio da assessoria de imprensa, a SSP destacou o reconhecimento pela bravura dos dois bombeiros. “Os processos para a garantia dos avanços destinados aos servidores, como reconhecimento pela bravura com que encararam a missão de proteger a sociedade gaúcha, já foram iniciados e estão em andamento no Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul”, informou a pasta.

Na última quarta-feira (11), o sargento Munhós e o tenente Almeida receberam, de forma póstuma, a medalha do Mérito Farroupilha, mais elevada honraria concedida pela Assembleia Legislativa. O ato contou com a presença dos familiares dos dois bombeiros. Em seu discurso, a viúva do tenente Almeida, Alessandra Ceci dos Santos, citou o que avalia serem falhas nos equipamentos dos bombeiros e na prevenção de incêndios no Estado.