Com bravura, mulheres conquistam espaço como bombeiro militar na Serra Gaúcha

986

Nesta sexta-feira, dia 2 de julho, é celebrado o Dia Nacional do Bombeiro Militar. A data foi escolhida pois marca a criação no Brasil do primeiro Corpo Provisório de Bombeiros da Corte, em 1856, que posteriormente se transformou no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Para celebrar essa data, a redação do Portal Leouve elaborou uma série de reportagens especiais com profissionais da área. Hoje, vamos falar sobre um fator de muita importância nesse meio de trabalho, a atuação da mulher.

No 5º Batalhão de Bombeiros Militar de Caxias do Sul, quatro mulheres trabalham lado a lado com os homens, exercendo as mesmas funções e servindo a comunidade. Elas ressaltam a importância da inclusão da mulher na corporação e que há espaço para todos, basta ter foco, perseverança e muita dedicação.

Cheias de orgulho pela profissão e histórias para contar de anos no ramo, a segundo sargento Daniela Schvindt e a soldado Mariéle Leandro de Lima relatam um pouco sobre suas experiências com a corporação e como é ser uma mulher trabalhando no Corpo de Bombeiros.

Daniela tinha o sonho de se tornar bombeira desde muito jovem, ainda na infância. Ela ingressou na corporação em 2003, somando 18 anos dedicados ao Corpo de Bombeiros de Caxias do Sul.

“Quando eu entrei, há quase 20 anos, haviam poucas mulheres na corporação, hoje nós somos muitas, felizmente. E a forma de ingresso é tal e qual a forma de ingresso masculina, através de edital, concurso público, prova intelectual, exames físicos e depois o curso em si, onde nós como mulheres recebemos a mesma preparação do efetivo masculino”, ressalta a segundo sargento.

Bombeira há dois anos e natural de São Gabriel, na fronteira Oeste do Estado, Mariéle conta que para ela, o desejo de se tornar bombeira surgiu mais tarde, quando frequentava o curso técnico de enfermagem. Foi ali, na disciplina de urgência e emergência, que ela começou a tomar gosto pela profissão de socorrista.

“No começo foi bem difícil porque eu tive que vir sozinha pra cá, minha família está inteira lá na região. Trabalhei seis meses no socorro e agora estou no setor de prevenção. Foi um grande desafio, mas eu fui muito bem acolhida e recebida pelos colegas”, conta.

Parte da corporação desde 1998, a atualmente 1ª tenente, Juliana de Morais Damin assumiu o Corpo de Bombeiros de Flores da Cunha no ano de 2018. Como todos os outros soldados, Damin passou por uma série de processos, cursos e preparações para chegar onde está hoje. Ela conta sobre a experiência de coordenar um batalhão e como cada vez mais as mulheres estão assumindo cargos importantes dentro da corporação.

“Quando eu incluí, a minha turma no Corpo de Bombeiros foi a segunda turma de mulheres, então tinha um certo mistério da mulher na corporação, ‘será que a mulher vai desempenhar o mesmo trabalho que o homem?’ Mas é pra isso que a gente luta né, para termos direitos e deveres iguais aos dos homens”, comenta.

A tenente ressalta como fica realizada ao ver as mulheres assumindo cada vez mais cargos na corporação. Ela lembra que quando ingressou eram apenas em 12, mas hoje as mulheres já estão em todos os cargos, de soldado a coronel.

“Como tem se falado muito ultimamente, o lugar de mulher é onde ela quiser. Onde ela batalhar, estudar e se dedicar. Ela tem que mostrar que é capaz também. Logicamente a gente não tem a mesma força física dos homens, mas o nosso trabalho é em grupo, não é um trabalho individual, é coletivo, bombeiro não trabalha sozinho”, complementa.

As três mulheres têm muito em comum, mas principalmente a paixão pela profissão. Elas afirmam que há espaço para todos na corporação, basta ter determinação e muito esforço. E para as mulheres que sonham em ingressar na carreira militar, o conselho é sempre o mesmo: não desista, lute pelo seu sonho, estude, batalhe e mostre que você é capaz.

Neste dia 02 de julho, homenageamos não apenas as mulheres, mas todos os bombeiros que trabalham incessantemente para o bem da comunidade. Realizando salvamentos, combatendo incêndios e salvando vidas.

Fotos: Fernanda Tomás/Grupo RSCOM