PM para se defender de ataque, mata quatro pessoas na ZN de Porto Alegre

4802

Um policial militar ao se defender de uma ataque, matou quatro homens dentro de uma pizzaria na zona norte de Porto Alegre por volta das 5h deste domingo. O PM se apresentou na Delegacia de Pronto-Atendimento (DPPA)  com a arma, prestou depoimento e afirmou que agiu em legítima defesa. A cena foi flagrada por uma câmera de vigilância da pizzaria, localizada na Avenida Manoel Elias, a uma quadra do cruzamento com a Avenida Protásio Alves, no bairro Mario Quintana. 

De acordo com levantamento preliminar do Departamento de Homicídios, as imagens corroboram a versão do PM. No depoimento, o policial contou que ele passou por uma festa em uma residência próxima ao local do crime procurando sua ex-namorada, quando quatro homens e duas mulheres saem da casa onde estava acontecendo o evento e passam a atacá-lo. O grupo, segundo seu relato, corre atrás dele e ele se refugia na pizzaria. As imagens mostram o PM tentando se esconder dentro do estabelecimento. Também segundo o policial, ele avisou os demais que estava armado.

— Temos as imagens que mostram que ele tentou evitar, se escondeu e usou um armário ou uma porta para se proteger. Tiraram essa proteção e foram para cima dele, seis pessoas. Até aí, nos parece que foi legítima defesa. O policial se apresentou na delegacia espontaneamente e, a princípio, não vai ser preso. Vamos averiguar todas as circunstâncias e aprofundar as investigações para ver se ele não tinha outra alternativa. Nos parece que ele tentou evitar o confronto. Pelo vídeo, corria até o risco de as pessoas tirarem a arma dele e ele ser morto — afirma a diretora do Departamento de Homicídios da Polícia Civil, delegada Vanessa Pitrez.

A polícia vai esclarecer o motivo pelo qual o grupo atacou o policial e se o PM tinha alguma relação com as vítimas. As duas mulheres não se feriram pois recuaram quando o policial começou a disparar. O caso foi registrado como quádruplo homicídio e a principal linha de investigação, até o momento, é a de legítima defesa. O caso ficará a cargo da 5ª Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) da Capital.

O Instituto-Geral de Perícias (IGP) esteve no local recolhendo os corpos no começo da manhã. As vítimas ainda não foram identificadas.

O autor dos disparos integra o 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM). O comandante-geral da BM, coronel Vanius Santarosa, afirma que irá acompanhar a investigação da Polícia Civil e abrir um Inquérito Policial Militar (IPM):

— Avaliando todas as imagens, o entendimento inicial é que ele agiu em legítima defesa, mas vamos apurar as circunstâncias de como e por que aconteceu. Iremos aguardar a conclusão do inquérito civil e do nosso inquérito e, no final desses procedimentos, faremos o que manda a lei.

Fonte: Gaucha ZH