Silhuetas 3D Humanas são empregadas pela BM no treinamento do uso de armas e tiros

260

Escola de Formação e Especialização de Soldados da Brigada Militar (EsFES) de Porto Alegre adotou o equipamento

Dois kits de reparo também foram adquiridos pela instituição | Foto: BM / Divulgação / CP

Correio do Povo

A Escola de Formação e Especialização de Soldados da Brigada Militar (EsFES) de Porto Alegre adotou o uso de cinco silhuetas 3D humanas, feitas de borracha EPDM com resinas aglomerantes e aditivos 100% recicláveis, para o treinamento do uso de armas e de tiros. Dois kits de reparo também foram adquiridos.

As silhuetas 3D suportam uma média de mil disparos em um todo, dependendo do calibre utilizado. Os alunos-sargentos do Curso Técnico em Segurança Pública foram os primeiros na utilização do novo equipamento.

Segundo o instrutor de uso da força e da arma de fogo, major Fabiano Henrique Dorneles, que supervisionou o uso de material em instrução, o equipamento possibilita uma maior aproximação à realidade, emprego de vestimentas e outras indumentárias, rapidez na reutilização, sensação diferenciada do aluno em efetuar disparo contra alvo de papel e uma alternativa de efetuar disparo com o alvo na diagonal.

Outros benefícios citados pela instituição são o custo otimizado, produto reciclado, aumento das possibilidades de cenários, uso em dia de chuva e facilidade de visibilidade do disparo no alvo pelo atirador, entre outros.

Quanto à parte técnica, sendo o alvo em cor única e sem um círculo ao centro, a Brigada Militar verificou um grau maior de dificuldade para concentrar os disparos, impondo assim uma maior exigência no que diz respeito à correta utilização de fundamentos para o tiro, como empunhadura, visada, posicionamento, respiração e o acionamento do gatilho por parte do atirador.

De acordo com o aluno sargento Rafael Scapin, primeiro aluno a interagir com o alvo, “o formato humano, por si só já altera o cenário, pois apresenta características muito aproximadas de uma pessoa, trazendo uma impressão menos distante da realidade”.